TOP 5 – AVMAG
janeiro 16, 2020
Nova linha de soundbars da LG traz experiência de áudio premium para os consumidores
janeiro 14, 2020
Amplificador Integrado Linear Tube Audio ZOTL Z40

A empresa americana Linear Tube Audio (LTA) – com uma extensa linha de amplificadores, prés fono e DACs – pegou seu amplificador 40 e transformou no integrado Z40, que usa 4 válvulas KT77 para prover 51 W por canal em 8 Ohms (prometendo timbre de válvula e detalhamento de solid state). O Z40 traz 4 entradas RCA e 1 XLR, saídas para fones de ouvido (de alta e de baixa impedância), entrada e saída Tape, atenuador de volume de precisão e controle remoto. O aparelho, cujo design e gabinete são feitos pela Fern & Roby, tem uma etiqueta de preço de US$ 7.650, nos EUA.
www.lineartubeaudio.com

Novo Digital Sharing Streamer da Métronome

A empresa francesa Métronome, especialista em digital, está lançando a mais recente adição à sua linha Digital Sharing: o DSS, ou Digital Sharing Streamer, primeiro transporte de streaming da empresa (sem DAC interno). O DSS trabalha com todos os formatos de arquivos digitais de áudio em PCM até 384 kHz, em DSD até 64, e em MQA, isso via ethernet,
Wi-Fi, UPnP e DLNA, além de compatibilidade Roon, Airplay 1 e Airplay 2, e entradas USB. O preço do transporte streamer DSS da Métronome é de 3.490 Euros, na Europa.
www.metronome.audio

Cápsulas Excalibur Platinum/Silver da TAD Audiovertrieb

A empresa alemã TAD Audiovertrieb comercializa a linha Excalibur de cápsulas MC (Moving Coil) para toca-discos de vinil, que já possuia cinco modelos (Gold, Black, Red, Green, Blue). Agora a empresa adicionou o modelo topo Platinum/Silver à linha – toda fabricada no Japão sob as especificações da TAD – que traz cantilever de bóro de compliância média, diamante com perfil Microridge e uma boa saída baixa de 0.45mV que, junto ao peso de apenas 7,5 gramas, faz dela uma cápsula de grande compatibilidade. O preço da Excalibur Platinum/Silver é de 1300 Euros, na Europa.
www.tad-audiovertrieb.de

Integrado WSlim LITE da Waversa Systems

A japonesa Waversa Systems possui uma extensa linha de amplificadores, pré de fono, DACs, streamers e NAS. Seu mais novo produto é o amplificador integrado WSlim LITE que é um all-in-one digital com design fino e tamanho reduzido, trazendo entradas digitais ethernet, USB, S/PDIF e ótica, além de Bluetooth, AirPlay e DLNA. O LITE provê 80 W por canal e possui um processamento de áudio proprietário da empresa – o Waversa Audio Processor WAP/X type 3 – que simula os harmônicos de válvulas Western Electric 300B. O preço do amplificador WSlim LITE é de US$ 1.300 – com preço promocional de lançamento de US$ 999.
www.waversasystems.com

Amplificador Integrado Soulnote A-1

A marca japonesa Soulnote – que possui uma linha de prés de fono, amplificadores, DACs, CD-Players e SACD-Players – está lançando o amplificador integrado A-1, intermediário da linha, que traz um circuito transistorizado discreto de alta velocidade com zero de realimentação, feito com componentes e transistores selecionados e transformador toroidal, provendo 120 W em 4 ohms, com 3 entradas RCA e 1 entrada balanceada XLR. O preço do integrado Soulnote A-1 é de 159.000 Ienes, no Japão.
www.kcsr.co.jp/soulnote.html

Case Comemorativo da Focal Symphonie 40th

A fabricante francesa de caixas acústicas Focal está comemorando seus 40 anos com o Symphonie 40th, um case com acabamento em Ébano Macassar, edição especial e totalmente limitada – focada em sua linha de fones de ouvido hi-end. O case traz um fone de ouvido topo de linha Utopia, open-back (aberto, sem isolamento acústico) para ouvir em casa acompanhado do DAC & amplificador de fones Focal Arche, e cabos especiais. O case traz também um fone Stellia, fechado com isolamento acústico, cabos especiais e um player digital portátil hi-res QPM da Questyle acompanhando. O preço do case Symphonie 40th pode chegar à US$ 18.000.
www.focal.com

1 Comment

  1. LUIZ CARLOS EUFROSINO DA SILVA disse:

    Boa tarde. O assunto é sobre cabos de conexão e de energia. O sr. editor, em uma análise do pré-amplificador da Luxman, sobre o qual teceu muitos elogios, quase ao final do texto afirmou que trocou o cabo de energia original por um outro e houve um salto qualitativo no áudio, que até sua filha e amiga perceberam na mesma hora.
    Se em equipamentos de áudio, em que sempre se questiona a qualidade de cabos de conexão, por quê em aparelhos de televisão nunca ouvi sequer um comentário sobre ter havido uma troca de cabo para se analisarem as diferenças (se é que existem) com a utilização do cabo original e do cabo novo? Será que nossos ouvidos são tão especiais que detectam diferenças grandes e nossos olhos não?
    Por favor, gostaria de uma explicação técnica e com embasamento científico.
    Obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *