Opinião: A BUSCA INCESSANTE PELA QUALIFICAÇÃO

Opinião: MÚSICA EM DEMONSTRAÇÕES: A POPULAR, A AUDIÓFILA & A BOA
maio 9, 2024
HI-END PELO MUNDO
maio 9, 2024

Fernando Andrette
fernando@clubedoaudio.com.br

Imagine o que passou em minha mente até realizarmos nosso primeiro Workshop Hi-End Show? A dúvida central era como seria retomar um evento modificado, uma década depois? Como seríamos recebidos pelo nosso leitor fiel (envelhecido como eu) tantos anos depois do último evento? Teríamos a tão esperada renovação de público com a ajuda da Audiofone?

Eram tantas perguntas sem respostas, que chegou um momento que parei de questionar e mergulhei de corpo e alma nos preparativos para que, da nossa parte, pudéssemos realizar o evento da maneira mais profissional possível.
Sabia que era um risco mudar o formato e trocar a Quantificação pela Qualificação na apresentação, buscando dar ao visitante a oportunidade concreta de ouvir e comparar sistemas.

Sem pressa, com salas adequadas para uma exposição de áudio hi-end, e principalmente sem o atropelo de multidões se deslocando de um lado para o outro.

O resultado nem eu, nos momentos mais otimistas, poderia conceber, de tão acima de todas as expectativas que foi!
Tudo que tanto buscávamos para esse novo formato, foi alcançado e você leitor é parte desse enorme sucesso.

Pois não só aceitou nossa proposta de ir ao evento para ouvir, conhecer e comparar, como se comportou de maneira exemplar!

Nas salas, os visitantes ouviam em silêncio e puderam coletivamente desfrutar de excelentes audições e, depois, compartilhar suas impressões nos corredores de forma civilizada e sem alvoroço.

Os expositores tiveram uma postura também exemplar profissionalmente, não deixando suas apresentações vazarem e incomodarem as salas próximas!

E todos foram extremamente felizes na escolha de suas playlists para demonstrarem seus produtos, buscando dar ao visitante a oportunidade de tirar suas conclusões e conhecer mais detalhadamente cada setup apresentado.

Minhas principais dúvidas durante os meses de preparação do evento, foram todas respondidas.

Vimos uma legião de jovens leitores, tanto interessados em fones como em setups, mulheres, muitas mulheres, acompanhando seus parceiros, ou até mesmo andando em trios pelas salas e participando intensamente nos nossos Workshops. Com perguntas pertinentes e avaliações corretas do que ouviram de cada um dos sistemas por nós apresentados.

Foi difícil, em muitos momentos, segurar a emoção com o carinho e o respeito que muitos manifestaram de forma tão sincera.

Se tivesse que resumir o resultado desse primeiro Workshop, a palavra correta seria – Triunfal!

Que me perdoe Nelson Rodrigues, mas obtivemos unanimidade tanto dos expositores, quanto dos visitantes, tanto no formato, como na qualidade do local escolhido e, claro, já estamos vendo a melhor data para o Workshop 2025!

Agora, preciso falar da parte que nos cabe, que foi apresentar seis sistemas (cinco no Workshop e um para a ‘Jam Sessions’ noturnas), para uma plateia extremamente interessada e disposta em sua maioria em ficar horas conosco para ouvir e tirar suas conclusões dos cinco sistemas apresentados.

Foi maravilhoso ter a companhia de um público tão diversificado, educado e tão concentrado.

O silêncio na sala a cada exemplo musical, com 60 pessoas, era realmente impressionante!

E no sábado, muitos se aventuraram a acompanhar os Workshops de 45 minutos em pé!

Foi gratificante olhar no semblante de cada um dos participantes e perceber o interesse em compreender nossa Metodologia e ouvir as diferenças ‘audíveis’ entre sistemas com apenas dois pontos de diferença!

Esse foi o propósito central do Workshop, mostrar sistemas a partir de 92 pontos, com diferenças mínimas de pontuação entre eles, mas com performances muito distintas.

Inúmeras falácias puderam ser questionadas e esclarecidas, como as mais em evidência na atualidade: de que não existe certo ou errado, que cada um escuta de uma maneira, que podemos ter um sistema musical com erros no equilíbrio tonal, ou que gravações de referência não são essenciais para a avaliação e escolha de um componente hi-end.

Também mostramos, na prática, com a ajuda do Guilherme Petrochi da Hi-Fi Experience, que para conseguirmos em uma sala não dedicada é preciso medir com antecedência, fazer os ajustes ‘cirúrgicos’, com o mínimo de material acústico, para que fique apresentável.

Claro que, ao colocarmos os paineis fabricados para as correções da acústica da sala, foi preciso ouvir, e para isso contei com a ajuda inestimável e sua larga experiência em setups do nosso querido colaborador Christian Pruks, que mostrou a mim e ao Guilherme, que o painel produzido a princípio para ficar atrás das caixas, tinha melhor uso acústico no fundo da sala.

Todos que participaram dos Workshops e das Jams, podem dar seu testemunho do quanto as audições foram imersivas, e de um grau de inteligibilidade e ausência de fadiga auditiva, plenos. Independente do sistema apresentado.

Com isso conseguimos mostrar na prática, a importância da tríade que é a base de nossa Metodologia e de nossa Linha Editorial: Equilíbrio Tonal o mais correto possível, Tratamento Acústico pontual, e cuidados mínimos com a Instalação Elétrica (no nosso caso, trocamos uma tomada do hotel por uma de boa qualidade que o Ulisses da Sunrise Lab nos cedeu gentilmente, e seu mais recente tomadeiro).

Nada exorbitante, ou que pudesse causar uma distorção na proposta essencial do Workshop que era apresentar sistemas com assinaturas sônicas distintas e níveis de performance também diferentes.

Em todas as minhas consultorias, sempre deixo claro que tentarei ser o menos ‘invasivo’ em termos de tratamento acústico (principalmente se a sala não for dedicada e continuará sendo um espaço de toda a família).

Na parte elétrica, idem. O essencial é não usar para o sistema a mesma fase em que esteja pendurada a geladeira, máquina de lavar ou ar condicionado, e também usar uma tomada de bom nível de qualidade para alimentar o sistema.

O essencial é o setup, como demonstrei nos cinco sistemas, sua sinergia, coerência e sobretudo o mais realista equilíbrio tonal possível dentro dos componentes escolhidos.

Montado o sistema correto, o passo seguinte era achar o posicionamento das caixas, para o melhor palco sonoro possível, com largura, altura e profundidade.

Seguindo à risca esses passos, o resultado foi o que todos ouviram nos cinco sistemas.

Ricos detalhes, nenhum instrumento soando duro ou agressivo, instrumentos com espaço e foco para respirar, com planos e mais planos, texturas ricas e refinadas e aquela bela sensação de materialização física do acontecimento musical à nossa frente (no caso para mais de 60 pessoas, independentemente da localização de cada um), transientes precisos e uma micro e macro-dinâmica condizentes com o nível de cada sistema!

Não acredita no meu relato? Por favor pergunte a quem participou. Ouça seu testemunho, e descubra que o que escrevo há quase três décadas nessas páginas não são ‘devaneios poéticos’, e sim a mais pura verdade!

Estou velho demais para mentir, meu amigo, e novo demais para morrer!

Quando tive a ideia de fazer esse Workshop, tinha uma clareza do desafio e o quanto seria penoso, escolher as peças de cada sistema, ouvir, ensaiar em nossa sala, sem saber exatamente como esses mesmos setups iriam se comportar em uma sala do dobro de tamanho, comprida demais, pé direito baixo e um carpete capaz de ‘capar’ os agudos com alto grau de crueldade.

Foram quatro meses ouvindo mais de 45 componentes e acessórios, até escolher os seis sistemas.
Noites de sono difíceis, dúvidas, muitas dúvidas.

E aqui estou eu escrevendo que farei tudo de novo ano que vem, agora conhecendo a sala, suas limitações e com a cabeça a mil, buscando novos desafios.

Se você nos prestigiou, tenho absoluta certeza que estará lá novamente em 2025.

E você que não foi, por duvidar que seria um bom evento, poderá ter outra oportunidade no próximo ano.
Se você acredita que podemos ajudá-lo a entender nossa Metodologia, para que possa fazer seus futuros upgrades com maior segurança, estaremos lá te esperando!

E aos 1.265 visitantes que nos prestigiaram, fica aqui o meu mais fraterno e sincero abraço, e um muito obrigado de toda a equipe da Áudio & Vídeo Magazine e da Audiofone!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *